Iara Lee interviewed in Brasil's Rede Brasil Atual on International Women's Day

  • English version
  • Portuguese version





  • "'Sexism is the major problem in Brazil,' says activist and filmmaker Iara Lee"

    March 8, 2015. Appeared in Rede Brasil Atual (Brazil).

    São Paulo — The Brazilian activist, filmmaker, and Korean descendant Iara Lee believes that sexism persists in Brazil and is a "big problem." She makes this claim with the authority of someone who has traveled the world in defense of human rights. This issue, however, has strong cultural roots in a historically patriarchal and slave society. She does not gloss over inequality, poverty and environmental crimes, which are all equally important to her struggles. "But we must also understand that poverty is a women's problem. We must understand that racism is a women's issue. We need to understand how the destruction of the environment affects women," said Iara.

    In May 2010, Iara was attacked in international waters by the Israeli army while in the Mavi Marmara flotilla carrying humanitarian aid to Gaza Palestinians. The boat invasion resulted in the deaths of nine activists, who were treated by Israeli forces as suspected terrorists. In the same year, Iara released the documentary Cultures of Resistance, which shows how the creative character of actions can contribute to solving or preventing social conflicts. She also founded the NGO Cultures of Resistance Network (CoR), which promotes solidarity and global efforts for peace and social justice.

    Starting at the beginning of the US-Iraq conflict in 2003, Iara traveled through regions of the Middle East and North Africa to understand the issues at play. In 2006, she had the experience of living thirty-four days under Israel's bombing in Lebanon. From there, she intensified her activity in support of peace in the region. Her most recent works are two documentaries focused on minority issues. One deals with the Indians in Pakistan, highlighting their sacrifices that make it possible to climb K2 mountain, the highest in the country. The other focuses on colonialism in Western Sahara and the nonviolent struggle of a people in search of self-determination.

    Check out the interview:

    Should March 8 be a day to celebrate or protest?

    We need to celebrate the often overlooked contributions of women activists throughout the world, and we also need to protest to make continued progress. At CoR, we promote forms of protest that are creative, joyous, and powerful--we try to make protest itself into a celebration.

    As an activist, you have been dedicated to various causes around the world. As a result, how do you see the status of women today? Is it possible to know the status of women in the Western world and the Eastern world? What are the main differences, in general?

    Certainly there are places in the world where the ability of women to express themselves freely or participate in politics are very constricted. At the same time, I see a lot of similarities everywhere. Women in both the west and in the global south are fighting against economic injustice and exploitation. They are contesting ideas about body image, dress, and appearance that are imposed by patriarchal structures. Although conditions in different countries vary, I think we need to find commonality in our struggle and express solidarity.

    In which countries is the status of women today most worrying and why?

    Again, I think it makes more sense to try to make connections between the challenges in different places, rather than to single out an individual country or locality.

    In the case of the Israeli-Palestinian conflict, how do you see the condition of the Palestinian woman?

    In any situation of war and occupation, you will find that women are bearing a disproportionate amount of suffering and that he unique challenges facing women are often overlooked. I think that is the case in Palestine, as in many other nations. In that sense, oppression of the Palestinian people is a women's issue.

    In countries like Iran and Iraq, where human rights are often not observed, is it possible to fight for the status of women without hurting the values ​​of local cultures?

    In visiting Iran and traveling in the Middle East more generally, I have been inspired by meeting women who are outspoken artists and activists, pushing for changes within their own societies. I think we need to do everything we can to support these women and amplify their voices.

    In Brazil, how do you view the status of women? What are the most pressing issues? And in Latin America?

    We need to understand that poverty is a women's issue. We need to understand that racism is a women's issue. We need to understand how the destruction of the environment affects women. All of these are problems we face in Brazil and in Latin America as a whole. I believe in drawing connections between issues and seeing the challenges that women face as part of a wider set of social challenges.

    Do you believe that intolerance and sexism in rich countries, such as Europe, undermine the status of women?

    In Europe, the United States, and elsewhere, you see women taking leadership roles in business and in politics. This is the result of the dedicated activism of feminists over the past century. However, it is hardly the end goal. We still see sexism in many forms. We see a disproportionate number of women living in poverty, even in industrialized nations. It is not enough to have a few women leaders and conclude that society is equal.

    Who are the women activists you admire?

    There are many women that I have been honored to meet in my travels and whom I admire tremendously. Some are quite well known and have been honored with awards like the Nobel Prize or the Right Livelihood Award. There are many others who are doing inspirational work but might not be as widely recognized. Some women are so busy working that they do not have time to publicize themselves. I admire them even more than the famous activists. But I cannot fail to mention people such as Mariem Hassan (singer and composer, who lived 27 years in refugee camps due to the civil war in Western Sahara), Alaa Murabit (founded an organization to defend the women of Libya) and Emily Kasyoka (a 14-year-old activist fighting against sexual abuse).

    What is your message to women on March 8?

    We should continue to work towards equality and justice for women in a variety of situations. We should also pause to acknowledge all that we have already accomplished and highlight the many women whose work goes unrecognized.




    "'Sexismo é o grande problema no Brasil', afirma a ativista e cineasta Iara Lee"

    São Paulo – A ativista e cineasta brasileira e descendente de coreanos Iara Lee acredita que o sexismo resiste no Brasil e é um “grande problema”. Ela faz essa afirmação com a autoridade de quem tem viajado pelo mundo em defesa dos direitos humanos. Essa questão, no entanto, com fortes raízes culturais, em uma sociedade historicamente patriarcal e escravista, não encobre a desigualdade, a pobreza e os crimes ambientais, que para ela representam lutas igualmente importantes. “Mas nós também devemos compreender que a pobreza é um problema das mulheres. Nós devemos entender que o racismo é um problema das mulheres. Precisamos entender como a destruição do meio ambiente afeta as mulheres”, afirma Iara .

    Em maio de 2010, Iara estava na flotilha Mavi Marmara, que levava ajuda humanitária aos palestinos de Gaza, e foi atacada, ainda em águas internacionais, pelo exército israelense. A invasão do barco resultou na morte de nove ativistas, tratados pela força israelense como supostos terroristas. No mesmo ano, Iara lançou o documentário Culturas da Resistência, que mostra como as ações de caráter criativo podem contribuir na solução ou prevenção de conflitos sociais, e também fundou a organização não governamental Rede de Culturas da Resistência (CoR), que promove a solidariedade global e esforços de paz e justiça social.

    Iara, que no Brasil nos anos 80 foi produtora da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, desde o início do conflito Estados Unidos-Iraque, em 2003, viaja pelas regiões do Oriente Médio e Norte da África para entender as questões do conflito. Em 2006, no Líbano, ele teve a experiência de viver 34 dias sob o bombardeio de Israel e a partir daí intensificou sua atuação em defesa da paz na região. Seus mais recentes trabalhos são dois documentários, voltados para questões de minorias. Um deles trata dos indígenas no Paquistão, destacando seus sacrifícios para tornar possível a subida à montanha K2, a mais alta do país; e o outro enfoca o colonialismo no Sahara Ocidental, e a luta não violenta de um povo em busca de autodeterminação.

    Confira a entrevista:

    Para você, 8 de março deve ser um dia para celebrar ou para protestar?

    Creio que deva ser para ambos. Nós devemos celebrar a sempre negligenciada contribuição das mulheres ativistas em todo o mundo; ao mesmo tempo, devemos protestar para manter a busca por um progresso contínuo. Na Rede de Culturas da Resistência (CoR), nós promovemos formas de protesto que são criativas, alegres e cheias de energia – nós tentamos fazer do protesto, ele próprio, uma celebração.

    Como ativista, você tem se dedicado a várias causas mundo afora. Por conta dessa experiência, como você vê a condição da mulher hoje? É possível falar da condição da mulher no mundo ocidental e no mundo oriental? Quais as principais diferenças, em linhas gerais?

    Certamente, há lugares no mundo em que os espaços para a mulher se expressar com liberdade ou participar da política são um tanto restritos. Ao mesmo tempo, eu observo muitas similaridades entre os dois lados. No Oriente e no Ocidente, as mulheres estão lutando contra a injustiça econômica e contra a exploração. Elas estão contestando ideias, os conceitos sobre imagem do corpo, roupas e aparência que são impostos pela estrutura patriarcal da sociedade. Apesar de as condições entre os diferentes países variarem, nós necessitamos encontrar pontos em comum na nossa luta e expressar solidariedade.

    Em quais países a condição da mulher hoje é mais preocupante e por que?

    Repetindo, eu acho que faz mais sentido tentar fazer conexões entre os desafios em diferentes lugares, do que destacar um determinado país ou localidade.

    No caso do conflito Israel-Palestina, como você vê a condição da mulher palestina?

    Em qualquer situação de guerra e ocupação, você vai descobrir que as mulheres estão suportando uma quantidade desproporcional de sofrimento, e que os desafios que as mulheres enfrentam muitas vezes não são reconhecidos. Eu acho que esse é o caso da Palestina, como em muitas outras nações. Nesse sentido, a opressão do povo palestino é um problema das mulheres.

    Em países como Irã e Iraque, em que os direitos humanos muitas vezes não são observados, é possível lutar pela condição da mulher sem ferir os valores das culturas locais?

    Em visita ao Irã, e viajando para o Oriente Médio, eu tenho sido inspirada por encontrar mulheres que são artistas e ativistas, sem rodeios, mobilizadas para mudanças dentro de suas próprias sociedades. Eu acho que nós precisamos fazer tudo que pudermos para apoiar essas mulheres e amplificar as suas vozes.

    No caso do Brasil, como você encara a condição da mulher? Quais as questões mais urgentes? E na América Latina?

    O sexismo em si, a exclusão e rebaixamento do gênero feminino, continua a ser um grande problema. Mas nós também devemos compreender que a pobreza é um problema das mulheres. Nós devemos entender que o racismo é um problema das mulheres. Precisamos entender como a destruição do meio ambiente afeta as mulheres. Todos esses são problemas que enfrentamos no Brasil e na América Latina como um todo. Eu acredito em desenhar conexões entre essas questões e vendo os desafios que as mulheres enfrentam como parte de um conjunto mais amplo de desafios sociais no mundo.

    Você acredita que a intolerância e o machismo nos países ricos, como os da Europa, prejudicam a condição da mulher?

    Na Europa, Estados Unidos, e em outros lugares, você vê as mulheres assumindo cargos de liderança nos negócios e na política. Esse é o resultado do ativismo dedicado de feministas ao longo do século passado. No entanto, ele não é o objetivo final. Ainda vemos o sexismo em muitas formas. Vemos um número desproporcional de mulheres que vivem em situação de pobreza, mesmo nas nações industrializadas. Não é o suficiente ter algumas mulheres líderes e concluir que a sociedade é igual. Nós ainda temos muito trabalho a fazer.

    Quais as mulheres ativistas que você admira?

    Há muitas mulheres que eu tive a honra de conhecer em minhas viagens e que admiro tremendamente. Algumas são conhecidas e têm sido homenageadas, com prêmios como o Nobel (Wangari Maathai). Há muitas outras que estão fazendo um trabalho inspirador, mas podem não ser tão amplamente reconhecidas. Algumas mulheres são tão ocupadas trabalhando, que eles não têm tempo para divulgar a si próprias. Eu as admiro ainda mais do que as ativistas famosas. Mas não posso deixar de destacar nomes como Mariem Hassam (cantora e compositora, que viveu 27 anos em campos de refugiados pela guerra civil do Sahara Ocidental), Alaa Murabit (fundou associação em defesa das mulheres da Líbia) e Emily Kasyoka (uma ativista de 14 anos, que luta contra abusos sexuais).

    Qual a sua mensagem para as mulheres neste 8 de março?

    Nós devemos continuar o trabalho em defesa da igualdade e da justiça para as mulheres em diferentes situações. Nós também devemos fazer uma pausa para reconhecer tudo o que nós já realizamos e destacar as muitas mulheres, cujo trabalho ainda continua sem reconhecimento.

     

     

     

Enlist

Sign up to receive news about events & activism in your area: